Bilheteira Online

D.QUIXOTE (DE COIMBRA) O TEATRÃO

Numa aldeia de La Mancha, de cujo nome não me lembro, vivia... vive ainda! E está de volta! Dom Quixote (de Coimbra), o cavaleiro mais despassarado de todos, com o casaco vestido do avesso e o mesmo vício de acumular livros, filmes, discos, sucata, ferro‑velho e todo o tipo de entulho. O Cavaleiro da Triste Figura vem acompanhado pelo fiel Sancho Pança - a Governanta e a Sobrinha também hão-de aparecer. E quem diria que num livro-calhamaço (quem é que ainda os lê?) se escondem mundos tão loucos e tão divertidos. Uma rara aventura espera-nos! Vamos?
Teatro / 6,00€ / 75M
Set sex 30 21H30
Caixa palco

O HOMÚNCULO DE NATÁLIA CORREIA - COMPANHIA TEATRO ESTÚDIO FONTENOVA

“O Homúnculo” é um espetáculo a partir do texto homónimo de Natália Correia, apreendido pela PIDE logo após a primeira publicação, em 1965, e que, até agora, nunca fora representado em teatro profissional. Esta tragédia jocosa consegue cruzar a estética surrealista, o teatro do absurdo e a sátira política. Inspirada na figura de Salazar, esta peça demonstra a sua verdadeira intemporalidade na linguagem inventiva com que convoca o fazer teatral. Provocatório e experimental, “O Homúnculo” concretiza- se num espetáculo que testa em cena a nossa capacidade de reflexão e crítica sobre o abuso dos poderes do Estado em face do exercício da cidadania e da liberdade individual.
Teatro / 6,00€ / 60M
Out sáb 22 21H30
Pequeno Auditório

BREVE MANUAL DO GIL PARA VICENTINOS DESENTENDIDOS - “MAIS QUERO ASNO QUE ME LEVE DO QUE CAVALO QUE ME DERRUBE” - AQUILO TEATRO

Para o Aquilo Teatro, produzir este espetáculo foi não só um desafio, mas também uma possibilidade original e prazerosa de penetrar nos domínios do teatro vicentino e dar a conhecer o jogo crítico e bem-humorado com que Gil Vicente apresentava a sociedade portuguesa da altura. O dramaturgo e poeta português não se preocupava com as leis da estética clássica no tocante à ação, ao espaço e ao tempo. O seu interesse era dar corpo ao princípio latino: “ridendo, castigat mores” (i.e., a rir, corrigem-se os costumes). Esta peça retrata de forma original, divertida e algo surpreendente várias obras do autor e é uma lembrança de que Gil Vicente foi e sempre será mestre: Mestre do teatro português e Mestre das palavras.
Teatro / 3,00€ / 60M
Out qua 26 21H30
Pequeno Auditório
Out qui 27 21H30
Pequeno Auditório

SANCHO PANÇA, GOVERNADOR DA ILHA DOS LAGARTOS, DE ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, PELA OFICINA DE TEATRO DO ESTABELECIMENTO PRISIONAL DA GUARDA

Ao longo de vários meses, os participantes da Oficina de Teatro do Estabelecimento Prisional da Guarda prepararam o entremez de António José da Silva (1705-1739), retirado da obra “Vida do grande D. Quixote de la Mancha e do gordo Sancho Pança” (1733), no âmbito de um protocolo de colaboração entre a Câmara da Guarda, através da BMEL, e o Estabelecimento Prisional da Guarda. António José da Silva, escritor e dramaturgo português, nasceu em 1705 no Rio de Janeiro e morreu em Lisboa em 1739. Proveniente de uma família cristã-nova que se refugiara no Brasil, veio para Portugal com toda a família. Formou-se em Direito pela Universidade de Coimbra e foi preso com a mulher em 1737, ambos acusados de atividades judaizantes pela Inquisição. Foi executado em 1739 num auto de fé. Escreveu o conjunto da sua obra em Portugal entre 1725 e 1739 e é hoje considerado um dos maiores dramaturgos portugueses de todos os tempos.
Teatro / 0,00€ / 50M
Out sáb 29 21H30
Pequeno Auditório

ALVAROQUE

Espetáculo de teatro comunitário sobre os mercados tradicionais das aldeias da encosta da Serra da Estrela. As crenças, os medos, os pregões, a música, os negócios, os burlões, vão ter como cenário as Eiras de Fernão Joanes, num espetáculo denominado Alvaroque - o nome dado pelas pessoas destas aldeias quando um negócio se realizava e o vendedor pagava umas bebidas aos intervenientes.
Teatro / 0,00€ / 60M
Nov sex 11 21H30
Pequeno Auditório

FAHRENHEIT 451 - COMPANHIA TEATROMOSCA

A partir do romance homónimo de Ray Bradbury, publicado em 1953, “Fahrenheit 451” é uma história distópica passada numa cidade não especificada, numa data não determinada. Neste futuro, todos os livros são proibidos e as opiniões e o pensamento crítico são considerados hedonistas. O protagonista, Montag, é um bombeiro (o que, na história, significa “queimador de livros”, que ardem à temperatura de 451º Fahrenheit) que acaba por tomar uma atitude subversiva ao tentar preservar os livros e o conhecimento literário. Uma crítica à sociedade de consumo, alienada pelos media.
Teatro / 6,00€ / 110M
Nov sáb 19 21H30
Pequeno Auditório

O TEATRO DO CALAFRIO APRESENTA O INGÉNUO DE VOLTAIRE

Uma sátira à doutrina cristã e à corrupção no seio do governo francês no século XVIII. O Ingénuo foi criado num país distante e não está familiarizado com os hábitos e costumes franceses. Esta ingenuidade é o pretexto utilizado por Voltaire para despir as incoerências das práticas religiosas e da profunda corrupção vivida na corte francesa do século XVII.
Teatro / 6,00€ / 60M
Dez qua 14 21H30
Pequeno Auditório
Dez qui 15 21H30
Pequeno Auditório
Dez sex 16 21H30
Pequeno Auditório
Dez sáb 17 21H30
Pequeno Auditório

Amigos TMG

Ser amigo TMG é um modo de viver intensamente a cultura beneficiando de vantagens muito interessantes.

Saiba como
Loja TMG
Seguidores
Teatro Municipal da Guarda Municipio da Guarda Patrocinador Serviço EducativoÁguas do Zêzere e Côa
Produzido por Dom Digital
ApoiosDom DigitalNatura IMB HotéisÁgua Serra da EstrelaClinica d água
Apoios à Divulgaçãoaltitude.fmTerras da BeiraLocalvisão TVClube Escape Livre