pt
es
en

Out of box

Atividades do Município fora de portas MAI-JUL. 2019
ICAA - intervenção cultural, animação e associativismo

Domingo | 12 de maio | Canções de Todo o Ano | Castanheira | 16h00

Canções de todo o ano música portuguesa de tradição oral, Por César Prata. Concerto estreado em agosto de 2018, na Casa da Música. Ao longo de cerca de cinquenta minutos, numa sequência que respeita a cronologia do ano e a diversidade temática, são apresentadas canções tradicionais portuguesas. (As canções e os instrumentos utilizados são objeto de um breve enquadramento).

ALINHAMENTO: Cantar de ls Reis (Trás-os-Montes) | Cantiga do Entrudo (Beira Baixa) | Primavera (Trás-os-Montes) | Adeus, Maria da Graça (Canção de cegos) | Trigo loiro (Canção de ceifa | Beira Alta) | Cantilena da pedra (Canção de trabalho |Minho) | Acorda, irmão acorda (Encomendação das almas | Beira Alta) | Já apareceu a Aleluia (Alvíssaras | Beira Baixa) | Alecrim (Beiras) | Santa Bárbara (Canção da trovoada | Alentejo) | Responso de Santo António (Beira Alta) | S. João (Beira Baixa) | Riu Piu Piu (Trás-os-Montes)

INSTRUMENTOS: Adufe, cavaquinho, gaita de fole, harmónio, matracas, sanfona, viola braguesa e voz.

Org.: CMG/ICAA e Associação da Juventude Ativa da Castanheira- Apoio: Junta de Freguesia da Castanheira



Domingo | 19 de maio – ASTA Teatro e outras artes performativas apresentam: Lano Kaj Neĝo | Casa de Cultura de Famalicão da Serra | 16h00

Lano kaj Neĝo significa: A Lã e a Neve na língua esperanto. O esperanto é referido na obra, através de um personagem emblemático e fulcral para a narrativa, Marreta, que representa a busca dos ideais progressistas que Ferreira Castro subliminarmente insere. A peça debruça-se sobre a obra de Ferreira de Castro “A Lã e a Neve”, um símbolo para a identidade social e cultural da região da Beira Interior, para além de ser uma referência da literatura nacional. A procura por um veículo que sirva o contexto local e ao mesmo tempo que projete as questões e anseios da nossa humanidade. A peça 99 acompanha o percurso de Horácio, de pastor em Manteigas ansiando um dia reunir as condições financeiras para poder ter a casa que sonha para viver com a sua família, até se tornar tecelão numa fábrica na Covilhã e confrontar-se com a dura realidade do operariado. Enquadrada nos anos 40 do séc. XX, durante o período da Segunda Guerra Mundial e com a ditadura em Portugal como pano de fundo, olha-se para a serra isolada e para as condições precárias em que vivem aqueles serranos, e olha-se para o auge do mundo industrial e têxtil na Covilhã onde o trabalho se torna uma reivindicação social importante.

Org.: CMG/ICAA e ASTA Teatro e Outras ArtesParceria: Junta de Freguesia de Famalicão da Serra e Centro Cultural de Famalicão da Serra



Sábado | 1 de junho Vila Fernando | 18h00 | Entrada Livre – Trigo Limpo ACERT apresenta: 20 Dizer, no âmbito das comemorações do 13.º Aniversário do Clube dos Amigos da Freguesia de Vila Fernando

20 Dizer é um momento alto em louvor da palavra e da poesia, um grande convite ao sonho, como o teatro deve ser. Augusto Gil, Eduardo Lourenço e Manuel António Pina serão o mote para um belo momento de poesia, com aqueles instantes surpreendentes de que só a arte poética é capaz, tão poderosa ela é que aquece os corações na noite fria ou faz sonhar firmamentos de estrelas, reais ou imaginárias. Quem faz corpo com essa matéria de sonhos é o José Rui Martins e Luísa Vieira, voz puríssima de água a correr da montanha, responsável pelos arranjos e por uma multifacetada interpretação de flauta e m'bira. No espetáculo, os versos e a música tomam conta da gente. Podemos dizer que em 20 Dizer, a palavra voa por cima de fronteiras, como um dia mandou João Guimarães Rosa (Voa, palavra), ele que inventou uma palavra belíssima que foi o respirar do que se passou em palco: coraçãomente! (texto de Fernando Paulouro).

Org.: CMG/ICAA e Clube de Amigos da Freguesia de Vila Fernando

Apoio:Junta de Freguesia de Vila Fernando



Domingo| Dia 2 de junho | 9h00 | Entrada Livre – XXXVI Feira Concurso do Jarmelo – Festival de Cultura Popular Jarmelo São Pedro

A Feira Concurso do Jarmelo é uma iniciativa que tem como objetivo primordial promover uma raça bovina autóctone, a vaca Jarmelista. A realização de um concurso de gado e um mercado ao ar livre potenciando as artes e ofícios ligados ao mundo rural são o mote do evento. No entanto, o património material e imaterial, histórico, natural e paisagístico, distinguem o Castro do Jarmelo como Imóvel de Interesse Publico desde 1953 e há referências históricas que identificam esta antiga vila como palco dos amores e desventuras de D. Pedro e D. Inês de Castro, factos e memórias que também são reavivadas em cada edição.

Org.: CMG/ICAA, Juntas de Freguesia de Jarmelo São Pedro e Jarmelo São Miguel, Associação Cultural e Desportiva do Jarmelo e ACRIGUARDA



Sábado e Domingo | 8 e 9 de junho | Corujeira | 9h00 | Entrada Livre – Jornadas da Lã – Festival de Cultura Popular

A chegada do calor dita o dia em que nas cortes se juntam os rebanhos e os pastores para fazerem a tosquia, libertando as ovelhas da lã churra, que mais tarde dará origem ao fio de lã, aplicado nos mais diversos produtos têxteis. Este é um dia de festa e de homenagem a todos os pastores que preservam as tradições ancestrais, pilares da Identidade desta comunidade.

Org.: CMG/ICAA e Associação Juvenil Raiz de Trinta

Apoio:União de Freguesias de Corujeira e Trinta



Sexta, Sábado e Domingo | Dia 5, 6 e 7 de julho | Gonçalo | 9h00 | Entrada Livre – “Festival da Cestaria de Gonçalo” – Festival de Cultura Popular

A Vila de Gonçalo fica situada num outeiro sobranceiro ao vale do rio Zêzere, local fértil em beleza natural, cultura e património. Gonçalo é também conhecido pela indústria artesanal de cestaria em vime. Ainda hoje, um pouco por toda a vila é possível visitar as oficinas e partilhar a experiência única de fazer um cesto ouvindo as estórias e memórias das gentes que preservam e dignificam esta arte.

Org.: CMG/ICAA, Juntas de Freguesia de Gonçalo e Associação Gonçalo Ativo



Sexta, Sábado e Domingo | 26, 27 e 28 de julho | Videmonte | 9h00 | Entrada Livre – “Festival do Pão Nosso” – Festival de Cultura Popular

Sendo o mote o pão e todo o processo que está relacionado com o seu fabrico até chegar às nossas mesas, o Festival “ Pão Nosso” é um elogio a uma comunidade que, ainda hoje se orgulha em preservar saberes, transmitindo-os de geração em geração não deixando perder a identidade cultural e o sentimento de pertença.

Org.: CMG/ICAA, Junta de Freguesia de Videmonte e Rancho Folclórico de Videmonte



Sexta, Sábado e Domingo | 26, 27 e 28 de julho | Videmonte | 9h00 | Entrada Livre – “Festival do Pão Nosso” – Festival de Cultura Popular

Sendo o mote o pão e todo o processo que está relacionado com o seu fabrico até chegar às nossas mesas, o Festival “ Pão Nosso” é um elogio a uma comunidade que, ainda hoje se orgulha em preservar saberes, transmitindo-os de geração em geração não deixando perder a identidade cultural e o sentimento de pertença.

Org.: CMG/ICAA, Junta de Freguesia de Videmonte e Rancho Folclórico de Videmonte



Sábado e Domingo | 17 e 18 de agosto - Viagem às Raízes | Arrifana | 16h00 | Entrada Livre – Festival de Cultura Popular

Para que a memória se perpetue, viajamos no tempo e revivemos uma das tradições da aldeia, a malha. Após o corte do cereal dourado e o seu transporte para a eira, seguia-se a malha, o centeio tinha de ser malhado para que o grão se separasse da espiga. Nas primeiras décadas do século passado esta tarefa era executada através da força manual, utilizando-se para o efeito o mangual. Posteriormente, com o aparecimento das malhadeiras, estas percorriam as eiras e nada ficava por malhar. Um trabalho comunitário, uma árdua tarefa, mas que simultaneamente eram momentos de encontro e de salutar convívio entre as gentes da aldeia.

Org.: CMG/ICAA, Grupo de Cantares da Arrifana e Junta de Freguesia de Arrifana



Dia 22, 23, 24, 29, 30 e 31 de agosto | 21h30 | Entrada Livre – Cineclube da Guarda Apresenta: Cinema nas Aldeias

Locais e programação a definir

Roteiro de cinema em seis aldeias do concelho da Guarda. Levar o cinema às aldeias de forma a revigorar o espírito de itinerância do cinema e recuperaras práticas comunitárias em torno desta arte.

Programação de clássicos do cinema em espaços centrais do património local nos diferentes quadrantes geográficos do território da Guarda.

Org.: CMG/ICAA e Cineclube da Guarda